O QUADRO “MARIA, MÃE DA IGREJA”

 

Certo dia, o Santo Cardeal Schuster disse a um salesiano: “Vi reproduzida a visão das duas colunas, que apareceram a Dom Bosco. Diga a seus superiores que a façam reproduzir em imagens e postais e as difundam por todo o mundo católico, porque essa visão de Dom Bosco é de grande atualidade: a Igreja e o povo cristão só se salvarão com estas duas devoções: A Eucaristia e Maria, Auxílio dos Cristãos”.

O quadro acima foi idealizado por Dom Bosco e pintado por Tomás Lorenzone (1824/1902).  A obra mede 4m de largura por sete de altura, e levou três anos para ser concluída. Está na Basílica Maria Auxiliadora, em Turim

O quadro acima foi idealizado por Dom Bosco e pintado por Tomás Lorenzone (1824/1902). A obra mede 4m de largura por sete de altura, e levou três anos para ser concluída. Está na Basílica Maria Auxiliadora, em Turim

Segundo a descrição feita por Dom Bosco, o quadro é uma eficaz representação do título “Maria, Mãe da Igreja”. Maria, enquanto Mãe do Filho de Deus, é a Rainha do céu e da terra: toda a Igreja, representada pelos apóstolos e pelos Santos, a aclama como Mãe e Auxiliadora poderosa.

auxili1Nossa Senhora é representada no alto, entre as nuvens, com o cetro na mão direita, símbolo do seu poder; com o braço esquerdo, segura o Menino Jesus, que tem os braços abertos para acolher e abençoar os que dele se aproximam, e oferecer as suas graças e a sua misericórdia a quem recorrer à sua augusta Mãe. A pomba, representação do Espírito Santo, estende suas asas sobre a cabeça da Virgem, que tem uma coroa de doze estrelas (que representam as doze tribos de Israel, pelas quais é venerada como Rainha dos céus e da terra). Também os anjos a sua volta lhe prestam homenagem como sua Rainha. Mais em cima está o olho de Deus Pai, que ilumina tudo de vivíssima luz.

Os Apóstolos Pedro (com as chaves) e Paulo (com a espada) ocupam no quadro o lugar principal, depois da Virgem Mãe. Os dois estendem os braços para Nossa Senhora, como para impetrar sua proteção. Atrás deles, estão os quatro Evangelistas, com os respectivos símbolos. À direita, São Lucas, sentado sobre o touro, leva-nos a pensar no lugar do sacrifício, próprio do Antigo Testamento. Com efeito, o Evangelho de São Lucas começa com o sacrifício do sacerdote Zacarias. Acima de Lucas, está São Mateus, coberto com um manto branco, tendo nos braços o menino em forma de anjo, porque ele começa o seu Evangelho, enumerando os antepassados humanos de Jesus.

À esquerda, São Marcos, sentado sobre o leão, para lembrar o grito que o Evangelista brada, no começo do seu Evangelho, quando diz: “Voz que clama no deserto: preparai o caminho do Senhor!” Mais acima, é representado São João Evangelista. Das nuvens que estão na frente dele, aparece uma águia, para significar que ele, escrevendo o Evangelho, levantou o vôo como águia, e viu ao longe o que estava previsto para acontecer à humanidade. Os Apóstolos, em diversas atitudes, aos pés de Nossa Senhora, carregam os instrumentos de seu martírio. No fundo da pintura está a cidade de Turim, com o santuário de Valdocco em primeiro plano e a colina de Superga ao fundo, com o templo dedicado à Virgem Mãe de Deus, Maria Santíssima.

A imagem do interior da Basílica de Maria Auxiliadora, em Turim (Itália), onde foi colocado o quadro de Maria, Mãe da Igreja. Este Santuário foi erigido por São João Bosco como monumento de reconhecimento à Virgem Maria, com o título AUXILIADORA.

A imagem do interior da Basílica de Maria Auxiliadora, em Turim (Itália), onde foi colocado o quadro de Maria, Mãe da Igreja. Este Santuário foi erigido por São João Bosco como monumento de reconhecimento à Virgem Maria, com o título AUXILIADORA.

 

Foi neste local que São João Bosco iniciou sua obra com os jovens.

Fonte: http://www.arcanjomiguel.net/dom-bosco-60.html