PREDADORES SEXUAIS NÃO DEVEM SER LAICIZADOS. DEVEM SER EXCOMUNGADOS.

 

dorothy

Dorothy CummingsMcLean

WASHINGTON, DC, 4 de outubro de 2018. (LifeSiteNews) Scott Hahn, escritor, apologista católico e professor da Universidade Franciscana de Steubenville, afirmou que os clérigos condenados por serem predadores sexuais, não deveriam ser destituídos, deveriam ser excomungados.  Sem mencionar o nome ele parece estar se referindo ao ex-cardeal McCarrick.  (acusado por inúmeros abusos sexuais….)

Scott Hahn

Scott Hahn

Hahn disse aos participantes da Conferência da Reforma Católica Autêntica, do Instituto Napa, em Washington, DC, no início desta semana que a excomunhão é um “remédio difícil” que, em última instância, busca o bem daquele que está sendo punido. Ele também disse que os apelos para que o ex-cardeal predatório Theodore McCarrick seja “reduzido ao estado laical” indicavam desprezo pelos leigos.

Hahn, cuja palestra foi intitulada “Chamado Universal à Santidade”, acabara de dizer a seu público que leigos,  tanto quanto os clérigos, eram chamados à ser santos.

“O que me chamou a atenção recentemente, disse o palestrante,  é o fato de um prelado, sobre o qual todos ouvimos falar, que foi condenado (por seus abusos), simplesmente ter sido forçado a renunciar a seu cardinalato.

“E por quê? Porque ele era um predador. E também foi promotor de outros predadores ”, continuou Hahn.  E o que dizem? ” Ele não pode mais ser cardeal .” E então as pessoas disseram: ‘ Isso não é suficiente ’. Então, o que devemos fazer para puni-lo?  -Deponham-no!  “E o que isso implica?”

O conferencista responde: – ele deve ser reduzido ao estado leigo. “Pensem sobre isso. No que isso implica. O que as pessoas pensam sobre o estado leigo? Se você é um prelado, um predador, um promotor dessas ações, e um protetor, e você é pego… Bum! Você não pode ser um clérigo, você deve ser reduzido ao estado laical!”!

É assim que se entende o “chamado universal à santidade!”, ele exclamou.

McCarrick

McCarrick

O ex-cardeal Theodore McCarrick foi retirado do ministério público em junho deste ano, depois que uma alegação confiável de que ele havia molestado um coroinha foi tornada pública. Outras acusações de abuso de meninos e homens jovens se seguiram. Em julho, depois que as instituições católicas se esforçaram para se distanciar do outrora poderoso prelado, McCarrick pediu demissão do Colégio dos Cardeais. Em seguida, em agosto, o arcebispo Carlo Maria Viganò, ex-núncio papal nos EUA, divulgou um testemunho no qual diz que o papa Francisco, apesar de saber da reputação desagradável de McCarrick, fez dele “um de seus principais agentes no governo da Igreja”.

Referindo-se a uma palestra anterior, Hahn apontou que São Paulo prescreve o “remédio difícil” da excomunhão em sua Primeira Carta aos Coríntios (1 Co 5: 1-5). Nesta passagem, São Paulo condena a imoralidade sexual de um membro da comunidade e aconselha a comunidade a banir o homem:

“Em nome do Senhor Jesus … você deve entregar este homem a Satanás para a destruição da carne, para que no dia do Senhor Jesus sua alma seja salva.”

A questão em excomungar “esse homem imoral” não é “fazer justiça, ficar quites, ou mesmo “purificar a Igreja”, mas “a salvação do homem”, disse Hahn, que volta a citar a Segunda Carta aos Coríntios (2 Coríntios 2: 1-9) para apontar o “resultado desta excomunhão”. O pecador sinceramente arrependido agora pode ser recebido de volta com alegria, “pois esse era o ponto principal” da punição.

Hahn exortou seus ouvintes a não se concentrarem exclusivamente nos pecados clericais – “É fácil para nós odiarmos os pecados do clero” -, mas também desenvolver um “santo desprezo” pelos pecados que eles “cometem mais, e desfrutam ao máximo, e racionalizam mais porque são os pecados que causam mais dano ”, não apenas a si mesmos, mas à Igreja e suas famílias.

Em seguida o palestrante retornou brevemente ao tema do pecado clerical, ressaltando que, embora o sexo consensual entre clérigos e adultos não seja um crime, é um pecado mortal.

“Ainda pior do que o pecado mortal foi a profanação, afirmou Hahn.. “Foi a profanação de uma paternidade espiritual de um modo incestuoso e sodomítico”.

Nesse sentido, continuou ele, é “quase inacreditável” que as pessoas estivessem cientes desses pecados e ainda se perguntassem se McCarrick deveria ser simplesmente despojado do cardinalato ou também laicizado.

Hahn acredita que passamos por uma crise que eclipsa a Reforma de 500 anos atrás e é mais parecida com escandaloso  pontificado  de Bento IX , o primeiro papa na história a ser acusado de sodomia, há quase mil anos.

Dizendo que os leigos têm que levar a sério o chamado universal à santidade, Hahn os encorajou a assumir a responsabilidade de mudar as coisas que eles podem mudar. Mas, além de estar atentos à vida do clero, os leigos devem levar a sério sua vida sacramental.

A chave para isso é a confissão, o cuidado constante do casamento e ser um bom pai. Hahn enfatizou que ser um bom pai implica em ter um amor paternal, ao invés de maternal, um amor que aceita as crianças como elas são, mas que sempre as encoraja a fazer melhor.

Citando um professor de seus tempos de estudante Hahn terminou a palestra dizendo que a cultura seria transformada “se os católicos simplesmente vivessem o sacramento do matrimônio”.

https://www.lifesitenews.com/news/scott-hahn-sexual-predators-like-mccarrick-should-receive-excommunication